mingau_eleandro_001

Este é Eleandro (como o entrevistador não tem traquejo não perguntou o sobrenome), natural de Porto Seguro e está em Salvador há pouco mais de dois anos vendendo mingau. Acorda às quatro e vinte da manhã e pouco depois das cinco já está em frente à Clínica Biocheckup na esquina da rua Padre Feijó no bairro do Canela com seu carrinho de mingau e munguzá.

O carrinho de Eleandro é de seu irmão (também não perguntei o nome) que veio ganhar a vida em Salvador e conheceu uma mulher que vendia mingau e tinha um carrinho semelhante. Associou-se a ela e hoje possuem 9 carrinhos espalhados pelo centro de Salvador.

Começam a preparar o mingau e o munguzá às duas da manhã e pouco antes das cinco estão nas ruas de Salvador espremidos sobre uma pickup com uns bons anos de uso. O ponto de Eleandro é o último do roteiro; na Clínica Biocheckup ficam ele e mais dois vendedores de mingau: uma rapaz que se desloca até a frente da Reitoria da UFBa e uma moça que não identifiquei o ponto de venda. Às 11 horas fazem o trajeto inverso.

O mingau e o munguzá são comercializados em copos de 200, 300 e 500 ml. Experimentei o mingau de aveia e gostei. Pouco açúcar graças a Deus. Eleandro está satisfeito com a renda que consegue com o carrinho. Estuda à noite e pretende concluir o segundo grau em 2018. Não pensa em retornar para Porto Seguro pois não vê perspectiva de trabalho.

Oferta de mingau no Canela – por conta do Hospital das Clínicas e de uma profusão de clínicas das mais variadas especialidades o bairro de Canela possui uma vasta rede de oferta de mingau e lanches associados. No dia que conversei com Eleandro dei uma volta tendo como limite a parte do Campo Grande contígua ao Canela e contei sete pontos de vendas sendo dois tabuleiros e cinco carrinhos. Sempre próximos das clínicas com maior movimento ou nas vias de acesso no sentido de quem vem do Campo Grande. Vale salientar que uma padaria já oferece mingau e outros itens do café da manhã. É aguardar os movimentos da atividade econômica para verificar se esta oferta se sustenta ou será dizimada pela retração do público.

Pra encerrar – Eleandro é um usuário intensivo do Whatsapp; quando percebeu que estava em vias de ser fotografado guardou rapidamente o aparelho celular numa gaveta do carrinho.