Busca

TRAMPO Trabalho e economia solidária

notícias e reflexões sobre o mundo do trabalho e economia solidária

Investimento privado e o MST: uma experiência para acompanhar

Baseado na experiência do banco holandês Triodos o economista Eduardo Moreira organizou um fundo de investimento privado, o FINAPOP, para aportar recursos em cooperativas do MST. Os juros são um pouco menores que o PRONAF mas a burocracia para acesso é bem menor. E a remuneração para o investidor pode até ser um pouco menor que aplicações especulativas mas sempre assegurando remuneração positiva. A segurança, no caso em questão, é a solidez das cooperativas do MST principalmente no sul do país.

Esta iniciativa tinha sido pensada pela CUT em 2003 quando esta central iniciou sua incursão na área da economia solidária. O “braço” financeiro era articulado pelo Gilmar Carneiro, baiano de Serrinha, fundador da CUT e dirigente do Sindicato dos Bancários de SP. A idéia de Gilmar era estruturar uma rede de pequenas cooperativas de crédito rural em todo o Brasil articuladas com cooperativas de crédito vinculadas a sindicatos urbanos com maior capacidade de captação de poupança de médio prazo.

Este modelo não foi adiante por dois fatores, na minha avaliação:

  • a timidez do movimento sindical que não tinha a cultura de atuar de forma propositiva, principalmente no mercado financeiro;
  • a inexistência, à época, de organizações produtivas estruturadas com produtos prontos para comercialização.

Aqui na Bahia temos três cooperativas de crédito remanescentes da época nas cidades de Caculé, Oliveira dos Brejinhos e Tabocas do Brejo Velho mas a estratégia original se perdeu com o tempo.

Para conhecer mais sobre o FINAPOP leia matéria do Brasil de Fato clicando aqui.

Redes Sociais e Eleições 2020 – link de acesso à plataforma ZOOM

hoje, 25 de maio, realizaremos a atividade “Redes Sociais e Eleições 2020” através da plataforma ZOOM. Começaremos o nosso bate papo às 19 horas  e a sala estará aberta a partir das 18:45 . O link de acesso está logo abaixo: é só clicar e seguir as instruções do aplicativo

https://us02web.zoom.us/j/88039666415 

Nos vemos logo mais então    dúvidas e esclarecimentos pelos contatos abaixo

luizdenis@yahoo.com.br
71 99181-0903

Centrais sindicais lançam campanha unificada pelo #foraBolsonaro; acesse os materiais para redes sociais

Card FORA BOLSONARO_Centrais-01Todas as centrais sindicais brasileiras unem-se na campanha pelo #foraBolsonaro. A campanha está nas redes sociais das várias centrais e algumas ações de rua, colagem de cartazes por exemplo, está em curso no estado de São Paulo.

Acesse os arquivos com peças para as redes sociais clicando aqui.

Entidades do campo lançam plataforma emergencial de combate à fome

Um conjunto de 20 entidades ligadas à agricultura familiar, mas não só do campo, lançaram um documento com um diagnóstico sobre a situação da produção de alimentos no Brasil e mecanismos para enfrentamento e superação das dificuldades.

Não se trata de um reivindicações de socorro face à crise do COVID 21 mas a constatação de que as sucessivas ações ou omissões dos governos Temer e Bolsonaro desestruturaram o sistema de produção, armazenamento e distribuição de alimentos. O documento está estruturado em seis eixos e apresenta os projetos de lei em tramitação no Congresso Nacional. Seguem os eixos e a íntegra do documento :

Revogação Imediata da Emenda Constitucional n° 95/2016 (Teto dos Gastos Públicos);
• Renda Básica Emergencial para os trabalhadores e trabalhadoras do campo, das florestas e das águas;
• Política Emergencial de Abastecimento e Segurança Alimentar Nutricional;
• Fortalecimento da capacidade produtiva da agricultura familiar camponesa e dos povos e comunidades tradicionais;
• Atendimento e prevenção ao contágio do novo coronavírus nas comunidades rurais e povos tradicionais do campo, das florestas e das águas;
• Apreciação e aprovação imediata de medidas em tramitação no Congresso Nacional relacionadas ao enfrentamento dos efeitos da pandemia, garantia de segurança alimentar e inclusão produtiva.

Para conhecer a íntegra do documento clique abaixo

Plataforma Campo Unitário

 

Hora de solidariedade concreta aos catadores de recicláveis

Mantendo sua prática coerente com o discurso o Presidente Jair Bolsonaro vetou projeto aprovado pelo Congresso Nacional que estendia a trabalhadores de setores informais da economia o acesso ao auxílio emergencial. Agora o veto retorna ao Congresso podendo ser derrubado mas este processo pode ser demorado por conta do volume de projetos em tramitação e das condições de funcionamento da casa legislativa por conta das medidas de isolamento social.

Para aqueles que buscam a sobrevivência na coleta de materiais recicláveis a situação é mais dramática. Pelos riscos inerentes à atividade o exercício da mesma é desaconselhado neste momento. E provavelmente o será nos próximos meses por algumas razões:

  • superada a fase aguda da pandemia entraremos num processo de recessão econômica que impactará nos níveis de consumo e por conseguinte impactará negativamente no volume de resíduos disponíveis;
  • as atividades sócio-recreativas (São João, final de ano, carnaval, …) sofrerão severas restrições, provavelmente sendo proibidas. A “economia da aglomeração” sofrerá forte impacto negativo;

No seu conjunto estes fatores apontam para uma situação dramática que remete à necessidade de ações de solidariedade coordenadas e de longa duração. E que oferece a possibilidade de uma aliança objetiva entre trabalhadores formais e informais que pode evoluir para a compreensão de que a classe “que vive do trabalho” deve agir enquanto tal. Objetivando:

  • cada cooperativa deve elaborar um perfil sócio econômico dos seus cooperados com o máximo possível de informações para ações mais imediatas (documentação, inscrição no CadÚnico e outras formalizações que permitam o acesso ao auxílio emergencial na forma em vigor) e ações de médio prazo (escolarização, formação profissional, …);
  • buscar entidades de apoio para organizar campanha coletiva de ações solidárias de médio prazo;
  • dialogar com centrais sindicais e sindicatos para articular apoio que podem se dar em duas modalidades :
    • apoio direto através de doações;
    • utilizar os canais de comunicação e mala direta da entidade para fazer chegar as ações de solidariedade às suas bases sociais
    • disponibilizar profissionais de comunicação para estruturarem as ações de divulgação das campanhas (cards, perfis em redes sociais, …)
  • dialogar com partidos políticos para adesão

Estas ações não impedem e nem conflitam com ações de natureza política de pressão sobre o Congresso Nacional e o necessário debate e enfrentamento do Governo Bolsonaro.

Este blog pretende desenvolver campanha de apoio ainda esta semana dentro dos limites do seu alcance.

Raízes do Brasil : plataforma de comercialização de produtos agro ecológicos

raizesdobrasil.ba

O MPA – Movimento dos Pequenos Agricultores – regional Bahia, lança, em parceria com a CUT e a APUB, a plataforma Raízes do Brasilvoltada para a comercialização de produtos da agricultura familiar cultivado segundo práticas agro ecológicas.

Inicialmente as entregas acontecem na Região Metropolitana de Salvador com a possibilidade de expansão para Vitória da Conquista e Feira de Santana. Os produtos disponíveis, preços e condições de entrega podem ser consultados no perfil da plataforma no Instagram, @raizesdobrasil.ba , pelo email rederaizesdobrasil.ba@gmail.com ou pelo whatsapp (77)988741049 em nome de Alane Silva.

Já os pedidos são realizados em formulário acessado pelo link https://bit.ly/raizes_ba . Pedidos realizados até a sexta serão atendidos na semana posterior. Isso porque os produtos são oriundos de várias regiões do estado e a logística está sendo ajustada.

Trata-se de uma iniciativa pioneira no âmbito sindical e uma maior adesão da clientela contribui para ganhos de escala e aperfeiçoamento da logística de distribuição.

E aprofunda as relações entre trabalhadores do campo e da cidade para além do discurso ideológico

Idosos e mercado de trabalho – cenários pós pandemia

O DIEESE publicou o estudo “Quem são os idosos brasileiros” . Oportuno pois os idosos são o principal grupo de risco do CONVID-19 e ao mesmo tempo contribuem significativamente para a composição da renda das famílias brasileiras quer através da remuneração advinda de atividades produtivas quer através de aposentadoria.


Íntegra do estudo – https://bit.ly/estudo_DIEESE_idosos

Quadro por estado – https://bit.ly/idosos_estados


Muito provavelmente mais idosos que hoje estão fora do mercado de trabalho tentarão obter alguma renda adicional através do trabalho mas serão relegados a atividades precárias devido ao risco de contaminação futura. Em caso de dispensa de mão de obra também os idosos ficam em situação vulnerável uma vez que o contágio é reconhecido como doença do trabalho.

Portanto a adoção de medidas protetivas a este segmento é necessária principalmente a adequação do sistema previdenciário ao novo cenário sócio econômico.

TRAMPO Cast e a história do movimento sindical baiano pós ditadura

A ideia inicial era bem modesta, talvez mais factível: contar a história da retomada do SINERGIA Ba das mãos do pelego Topázio. Por impulso coloquei um título bem ambicioso. Vamos ver até onde chego.

Ouça e mande notícias

trampo_blog · TRAMPO Cast #001_20

A imunização como diferencial competitivo no acesso ao mercado de trabalho

Semana passada ouvindo o podcast Nova Rádio Libertadora da Brigada Marighella fui alertado pela minha amiga Poliana Rebouças para uma provavel situação a se observar no mercado de trabalho: a valorização dos infectados sobreviventes da CONVID 19.

Estranho não é ? É, mas faz sentido. Por alguma razão que não sei explicar ( e me deu preguiça de procurar no YouTube) quem contrair e sobreviver ao CONVID 19 fica imune não se sabe ainda durante quanto tempo. É sabido também que durante um bom tempo vamos conviver com a possibilidade de novos casos de contaminação. É a chamada “segunda onda” (vamos ficar atentos à China). Por isso é que falava no post anterior sobre a fase crônica da pandemia que não sabemos quanto tempo irá durar.

Então raciocinemos : entre contratar um empregado com potencial de contaminação ou contratar um que está imune (não se sabe ao certo durante quanto tempo) o empresariado brasileiro vai escolher quem ?

Deixo que concluam. Por isso a razão do título: esta sofrida imunização pode funcionar como diferencial de competitividade num capitalismo que mandou. faz tempo às favas os escrúpulos de consciência (em outro momento conto de onde busquei esta frase).

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑