Busca

TRAMPO Trabalho e economia solidária

notícias e reflexões sobre o mundo do trabalho e economia solidária

Sindicalistas eleitos – atualizando os dados

No dia 3 de dezembro publiquei o post “Quem são os vereadores do movimento sindical baiano ?” com o objetivo de mapear os sindicalistas que tiveram sucesso nas urnas. Apresentei o nome daqueles mais conhecidos e fiquei na expectativa do surgimento de nomes que desconheço. Três nomes se apresentaram :

  • Derlan Queiroz – dirigente do SindAlimentação, ex dirigente da CUT Ba elegeu-se vereador na cidade de Governador Mangabeira pelo PP;
  • Bô Caires – dirigente do STR de Barra da Estiva elegeu-se vereador pelo PP;
  • Márcio Lago – presidente do SINTRAF de Manoel Vitorino elegeu-se vereador pelo PDT;
  • Valdimar do Sindicato – vereador também pelo PDT de Manoel Vitorino e ativista do SINTRAF local.

Na medida em que novos nomes sejam informados estaremos atualizando a relação.

A FEBAFES e as oportunidades para o cooperativismo de plataforma

O Governo da Bahia através da SDR/CAR realiza até o dia 13 de dezembro a 11 Feira Baiana de Agricultura Familiar e Economia Solidária. Por óbvio a Feira é realizada de forma on line mantendo o mesmo volume de atividades dos anos anteriores e possibilitando a participação de pessoas que normalmente não se deslocariam até Salvador.

E onde está a oportunidade ?

A parte da comercialização também se dá através de uma plataforma administrada por uma empresa, ESCOAF, e a logística de distribuição fica por conta do Governo do Estado. Ressalte-se que as vendas limitam-se à cidade de Salvador por conta da estrutura de logística demandada.

A empresa que cuida da comercialização tem o mesmo “modus operandis” das empresas de plataforma tipo UBER, IFOOD ou AIRBNB : usam de uma estrutura tecnológica que aproxima produtores, consumidores, meios de pagamento e logística de distribuição. Como é uma empresa nova e tocada por jovens ela angaria simpatia e o apelido “startup” coloca uma aura de modernidade numa atividade econômica secular : as feiras livres.

Bem….não esqueçamos que UBER, IFOOD e AIRBNB começaram com as iniciativas de jovens simpáticos.

Ao encerrar esta FEBAFES a ESCOAF terá em suas mãos um patrimônio valioso para as grandes empresas do capitalismo de plataforma: os dados desta cadeia de consumo. Quem produz, onde, qual a capacidade de produção; quem consome, o que consome, com qual volume, como paga e como os produtos são entregues. Este banco de dados tende a ser alimentado após a feira (o problema é a logística) e no médio prazo despertará a cobiça das grandes empresas : IFOOD, UBEREATS, 99entregas e outras tantas. Que ofertarão aos donos da ESCOAF uma proposta de compra irrecusável.

É assim que este mercado funciona caso não haja uma intervenção dos trabalhadores organizados. Não se trata de destruir estas empresas pois nas atuais circunstâncias elas tem um papel a desempenhar. Mas apropriar-se coletivamente deste aparato organizacional através da constituição de redes de cooperativas baseadas na tecnologia: cooperativas de software livres desenvolvem plataformas para cooperativas de produtores que se associam a cooperativas de entregadores.

Claro que alguns elos desta corrente precisam sem construídos. Existe a necessidade de computadores públicos para armazenamento destes dados. Mas estes computadores existem em centros de pesquisas ou universidades públicas.

Enfim, utilizar os princípios da economia solidária para avançar na auto organização dos trabalhadores num mundo mais sofisticado e com uso intensivo de tecnologia. Alguns exemplos existem em fase experimental na Europa e no site da Fundação Friedrich-Ebert-Stiftung encontramos textos, reportagens e seminários sobre o tema. Muita informação também está disponível no site do projeto DIGILABOUR da Unisinos. Neste site voce encontra um artigo específico sobre quem pesquisa o tema “cooperativismo de plataforma”.

Por fim deixo o link para download do livro “Cooperativismo de Plataforma, editado no Brasil pela Autonomia Literária.

Análise de Conjutura #018 – 23 a 29 nov 2020 – por J. S. Gabrielli

Segue em anexo o mais recente boletim semanal; com algum atraso mas ainda em tempo.

Receba no seu email

Se você não quer esperar pela nossa publicação envie uma mensagem para o endereço eletrônico jsgazevedo@gmail.com informando que deseja receber o boletim. E toda segunda pela manhã ele estará na sua caixa postal. Segue o boletim….boa leitura

Quem são os vereadores do movimento sindical baiano ?

O título deste post está sob a forma de indagação porque as informações são imprecisas, pelo menos para este blogueiro. Não tem a menor intenção, até o momento, de questionar algo. Mas tenho a percepção de que a quantidade de dirigentes ou ativistas sindicais bem sucedido nas urnas diminuiu nestas eleições.

Então pra início de conversa peço aos leitores deste blog que me informem nome e categoria de origem dos eleitos que sejam do seu conhecimento.

Aqui em Salvador temos dois sindicalistas que renovaram o mandato : Luis Carlos Suíca (PT e oriundo do Sindlimp) e Hélio Ferreira (Rodoviários, pelo PCdoB). E dois novos nomes : Tiago Ferreira, PT, rodoviário e dirigente da CUT Ba e Augusto Vasconcelos, PCdoB, Sindicato dos Bancários.

Em Camacari temos o Dentinho do Sindicato (PT e Sindquímica) e em Ilhéus temos a profa Enilda (professores, PT) e Augustão (Sindcacau, PT).

Estes são os nomes que tenho conhecimento na área urbana.

E o movimento sindical rural ?

Rê do Sindicato e Rene do Sindicato em Senhor do Bonfim e Conceição do Coité, respectivamente. E a Edneide Pereira em Araci. Certamente temos mais nomes vinculados ao movimento sindical rural mas não tenho conhecimento. Espero atualizar em breve.

E temos uma vice-prefeita

Sim, a companheira Marlene Ferreira, Secretaria de Formação da CUT Ba e dirigente do STR de Conceição da Feira elegeu-se vice prefeita da sua cidade pela REDE.

Quem falta nesta lista ?

Conhece algum sindicalista eleito que não está entre o citados acima ? Manda o nome, cidade e categoria que vamos atualizando.

TRAMPO no mes da Consciência Negra

E neste novembro tivemos a oportunidade de bater um papo com a Rosana Fernandes, Secretária Adjunta de Combate ao Racismo da Direção Nacional da CUT e a Gilene Pinheiro, Secretária de Combate ao Racismo da CUT Ba.

Assista, deixe seu like e curta nosso canal no YouTube

Análise de Conjutura #017 – 16 a 22 nov 2020 – por J. S. Gabrielli

Segue em anexo o mais recente boletim semanal.

Receba no seu email

Se você não quer esperar pela nossa publicação envie uma mensagem para o endereço eletrônico jsgazevedo@gmail.com informando que deseja receber o boletim. E toda segunda pela manhã ele estará na sua caixa postal. Segue o boletim….boa leitura

O atraso na apuração das eleições e a luta contra as privatizações

As eleições municipais de 2020 surpreenderam pelos problemas no processo de apuração. O sistema de apuração das urnas eletrônicas, case de sucesso mundial, apresentou falhas que resultaram em atraso na divulgação dos resultados.

Pela manhã o alto volume de acessos aos servidores responsáveis pelo funcionamento do aplicativo E-título provocou interrupção nos serviços.

Tudo isso junto alimentou rumores, alimentados pelas fake news disparadas por conhecidos sites bolsonaristas, de que o sistema brasileiro seria falho e propício a fraudes. O que houve na verdade foram decisões no mínimo equivocadas do TSE explicadas por links e vídeos a seguir.

E o que a luta contra as privatizações tem com isso ?

Durante o processo de tomada de decisão cogitou-se a utilização de uma “nuvem ” pública, ou seja, a utilização das estruturas computacionais e de armazenamento de dados do SERPRO ou DATAMEC, utilizadas com sucesso em situações anteriores. Prevaleceu a posição de contratar a ORACLE, gigante norte americana no setor de serviços e infra estrutura.

Para entender melhor

TSE diz que comprou “cloud Oracle” porque só a Oracle vende o “cloud Oracle” – PODER 360

Ataque hacker e lambança do TSE atiçam terraplanismo eleitoral – UOL Tilt

Os líderes dos G20 devem aproveitar o momento e acordar as bases de um novo pacto social

A Cúpula do G20 teve início no dia de hoje, sábado 21 de novembro, com declarações desastradas do presidente Jair Bolsonaro (veja aqui).

Voltando as atenções para as ações do movimento sindical internacional reproduzo aqui o recente da CSI sobre os rumos que este encontro deveria apontar :

“A CSI, como parte do grupo L20, que representa os trabalhadores no nível do G20, pede uma ação urgente na Cúpula do G20 que será realizada neste fim de semana na Arábia Saudita.

Os líderes do G20 devem aproveitar este momento para lançar as bases para uma recuperação econômica focada no emprego e empregos amigáveis ​​ao clima, direitos dos trabalhadores, proteção social universal e tributação justa para garantir que os benefícios obtidos por alguns durante a pandemia são compartilhados com todos.

Sharan Burrow, secretária geral da CSI, comentou a respeito: “Este é um momento extraordinário na história e os líderes do G20 não podem deixar de tomar medidas extraordinárias.

“Em setembro, os Ministros do Trabalho do G20 reconheceram que os efeitos econômicos de lidar com a COVID-19 deixarão os trabalhadores mais vulneráveis ​​à‘ pobreza, informalidade e diferentes formas de exploração ’. Esta foi a primeira fase.

“Agora cabe aos Líderes do G20 fazer o que for necessário para reverter essa situação, tomar medidas contra a pobreza, contra a exploração e a favor de empregos formais e ecologicamente corretos. Devem construir o Novo Contrato Social pelo qual clamam todos os trabalhadores, que assenta em empregos de qualidade, direitos fundamentais dos trabalhadores, protecção social universal e um sistema fiscal justo ”.

Pierre Habbard, Secretário-Geral do Comitê Consultivo Sindical (TUAC) da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), destacou a importância do momento presente: “A pandemia COVID-19 tornou-se a maior do mundo profundidade da história moderna. É uma crise que se soma a muitas outras crises subjacentes. Ela não atingiu economias que antes eram robustas e socialmente justas.

“O G20 de Líderes foi criado na esteira da crise financeira global de 2008. A crise da COVID-19 representa um novo desafio para o G20 como o principal fórum global com a capacidade de trabalhar em conjunto e tomar ações decisivas contra uma crise isso pode rapidamente se transformar em uma crise política para a democracia ”.

A declaração L20 para a Cúpula de Líderes do G20 descreve os meandros do problema exacerbado pela “pandemia da desigualdade”, bem como como a recuperação e a resiliência podem ser baseadas na “aplicação de compromissos anteriores e novas medidas” .

  • O mundo perdeu 495 milhões de empregos (estimativa da Organização Internacional do Trabalho (OIT)
  • As mulheres foram afetadas de forma desproporcional, pois estão sobrerrepresentadas em empregos precários e mal pagos.
  • Os 25 bilionários mais ricos aumentaram suas fortunas em US $ 255 bilhões entre meados de março e o final de maio.
  • A mudança climática se tornou uma emergência, com 2020 quebrando recordes terríveis.
  • Os gastos militares globais totalizaram US $ 1,9 trilhão em 2019, o maior crescimento anual desde 2010.

No entanto, essa situação pode ser resolvida por meio de medidas como:

  • declarar a COVID-19 como doença ocupacional e proteger os trabalhadores;
  • fornecer meios financeiros a todos os países por meio de reformas tributárias progressivas, acordos financeiros e monetários;
  • aumentar a segurança do emprego e da renda para os trabalhadores e todos os cidadãos, sustentando um trabalho decente em um Novo Contrato Social que inclui a proteção social universal;
  • criar empregos de boa qualidade que garantam os direitos fundamentais dos trabalhadores, investindo na economia de cuidados e empregos amigáveis ​​ao clima para construir economias resilientes;
  • aplicação de impostos progressivos, um imposto sobre transações financeiras, um imposto digital e o estabelecimento de um limite mínimo para o imposto sobre as sociedades.
  • “Facilitamos muito a tarefa dos Líderes do G20, discutimos, pensamos e planejamos tudo para eles e declaramos isso em nosso comunicado.

Basta ler e colocar em prática, em parceria com os trabalhadores e seus sindicatos. Se não o fizerem, a história irá julgá-los por deixar este momento escapar por entre seus dedos, e estaremos lá para lembrá-los ”, concluiu Sharan Burrow.”

Para ler a proposição das representações do L20 ==> https://bit.ly/33nwDPV

Análise de Conjuntura – José Sérgio Gabrielli – 9 a 15 nov

Segue mais recente produção do prof José Sérgio Gabrielli trazendo as primeiras impressões sobre os resultados do primeiro turno das eleições municipais. O boletim foi publicado originalmente na segunda feira, 16 de novembro.

Se você não quer esperar pela nossa publicação envie uma mensagem para o endereço eletrônico jsgazevedo@gmail.com informando que deseja receber o boletim. E toda segunda pela manhã ele estará na sua caixa postal. Segue o boletim….boa leitura

Blog no WordPress.com.

Acima ↑