Na noite da sexta, 10 de janeiro, começou a circular em alguns grupos de Whatsapp ligados a grupos de esquerda em Salvador áudio atribuído ao ex-senador carioca Lindenberg Farias pedindo apoio a uma ocupação das dependências da diretoria da Casa da Moeda por trabalhadores inconformados com as ameaças de privatização da empresa, demissões e retiradas de direitos.

Como só vi por volta da meia-noite optei por dormir e buscar informações pela manhã. Não foi surpresa só encontrar informações numa postagem da Forum e do Brasil 247 (leia aqui e aqui) sendo que a matéria do Brasil 247 referencia-se no texto da Forum.

Por sua vez o texto da Forum tem como fonte o perfil do Twitter @gabedalavigne que organizou uma thread relatando o ocorrido (acesse aqui) e algumas postagens do Sindicato dos Moedeiros também no Twitter (@cmbpublica).

Fiz contato com estes dois perfis e através deles, mais até o @cmbpublica, venho me informando sobre os acontecimentos. O certo é que a ocupação encerrou-se às 22 horas da sexta e na segunda feira tento mais informações.

Me parece que esta é a primeira ação intempestiva de trabalhadores de uma empresa gerida pela União contra os desmandos de Bolsonaro, Paulo Guedes e equipe. Representados por um sindicato que, aparentemente, não teve apoio das centrais sindicais tradicionais e que conseguiu furar o bloqueio da grande imprensa através da ação militante nas redes sociais, notadamente o Twitter.

Fico na expectativa das manifestações de apoio e solidariedade do movimento sindical e também na expectativa de que os nossos ativistas compreendam e reflitam sobre o papel da comunicação via redes sociais nesta quadra da conjuntura.

E acompanhem os próximos capítulos seguindo a hashtag #casadamoedaresiste .