Busca

TRAMPO Trabalho e economia solidária

notícias e reflexões sobre o mundo do trabalho e economia solidária

Tag

ituc

G20 e mercado de trabalho pós pandemia

No dia 10 de setembro os Ministros do Trabalho dos países do G20 reuniram-se na Arábia Saudita para discutir medidas de enfrentamento à crise do trabalho e do emprego pós pandemia.

No vídeo a seguir o sindicalista metalúrgico Fernando Lopes discorre sobre o que aconteceu na reunião e sugere dois sites para acompanhamento do noticiário internacional já quase nada aparece na imprensa tradicional.

Depois do vídeo colocamos os links sugeridos. E recomendamos que sigam o canal Militância Atenta.

Links sugeridos

LabourStarthttps://www.labourstart.org/news/index2019.php

ITUC-CSI https://www.ituc-csi.org/?lang=en

Dia Mundial do Trabalho Decente: Um Novo Contrato Social para Recuperação e Resiliência

Mais de 850.000 mortes causadas pela pandemia COVID-19, mais de 25 milhões de pessoas infectadas

400 milhões de empregos perdidos

Perda de centenas de milhões de meios de subsistência na economia informal

Transcrição de informe da ITUC-CSI ; tradução : Google Tradutor

Um Novo Contrato Social é necessário para garantir que a economia global possa se recuperar e construir a resiliência necessária para enfrentar os desafios convergentes da pandemia, mudança climática e desigualdade.

No dia 7 de outubro deste ano acontecerá a 13ª edição do Dia Mundial do Trabalho Decente (JMTD). Milhões de pessoas participaram de eventos relacionados ao JMTD desde 2008 e este ano será mais uma vez um dia de mobilização global: um dia em que sindicatos de todo o mundo se manifestarão pelo trabalho decente. O trabalho decente deve estar no centro da ação governamental para restaurar o crescimento econômico e construir uma nova economia mundial que coloque as pessoas em primeiro lugar.

Os efeitos da pandemia sobre a saúde, o emprego, a renda e a igualdade de gênero são ainda mais catastróficos considerando que o mundo já estava fraturado, com um modelo profundamente falho de globalização causando desigualdade e insegurança arraigadas para os trabalhadores. . Um novo contrato social é essencial para traçar o caminho para a recuperação dos efeitos do COVID-19, bem como para estabelecer uma economia de prosperidade e sustentabilidade compartilhadas.

Este ano, em muitos locais não será possível organizar eventos JMTD com a presença física de pessoas, devido ao risco de propagação do vírus. Desde o início da pandemia, no entanto, os sindicatos em todo o mundo alcançaram novos patamares na implantação de tecnologia para manter eventos virtuais e comunicações rápidas. Este será um elemento chave para o Dia Mundial do Trabalho Decente em 2020.

O tema central da CSI será “Um Novo Contrato Social para Recuperação e Resiliência”, ao longo do qual sindicatos e outras organizações que celebram o Dia Mundial também poderão se mobilizar sob seus próprios slogans e demandas.

Para manter todos informados sobre seus eventos em ou por volta de 7 de outubro, envie os detalhes por e-mail para wddw@ituc-csi.org. Eles também podem enviar mensagens solicitando informações adicionais para esse mesmo endereço.

Informações e materiais adicionais, incluindo infográficos e mensagens de mídia social, serão disponibilizados para você no site da ITUC.

Protesto em Bruxelas para exigir a liberdade do ex-presidente brasileiro Lula

Segue transcrição de informe da ITUC – International Trade Union Confederation sobre o apoio do movimento sindical internacional à campanha pela liberdade do Presidente Lula. O informe é de 24 de abril e a tradução é minha com a ajuda do Google Tradutor.

“Organizações sindicais belgas e internacionais exigiram a libertação imediata da prisão do ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva. Em uma carta entregue ao embaixador do Brasil em Bruxelas, o CSC, o FGTB, a ITUC e a Confederação Européia de Sindicatos declararam que a prisão arbitrária de Lula é uma ameaça à democracia. Sindicatos em Assunção, Buenos Aires, Genebra, Jacarta, Lima, Londres e Rabat também se reúnem hoje nas embaixadas brasileiras, após protestos nos últimos dias em Madri, Montevidéu, Paris, Roma e Washington, D.C.
“Lula foi considerado culpado por um tribunal de primeira instância sem qualquer evidência, fato que os próprios juízes do tribunal de primeira instância admitiram. Lula é o político mais popular do Brasil por ampla margem, e a perseguição judicial contra ele visa impedi-lo de ser novamente presidente “, disse o secretário-geral da ITUC, Sharan Burrow.
Os advogados de Lula levaram o caso perante o Conselho de Direitos Humanos da ONU, observando a óbvia parcialidade dos juízes e promotores e pedindo ao Conselho que reconheça que “o tribunal regional que o considerou culpado, o juiz Sérgio Moro e os promotores públicos”. da chamada operação “Lava Jato” violou os direitos à privacidade de Lula, o direito a um julgamento justo, o direito a não ser arbitrariamente detido, o direito à liberdade de movimento e o direito à presunção de inocência até a culpa seja declarada “.
Evidências preliminares apresentadas ao UNHRC estão centradas no vazamento de dados confidenciais para os órgãos de mídia, emissão ilegal de um mandado de prisão, divulgação ilegal de escutas telefônicas, o uso de indefinido prisão preventiva contra suspeitos no âmbito da operação “Lava Jato”, a obtenção de delações através de acordos de negociação de sentença e numerosos exemplos da pronunciada parcialidade dos promotores e juiz Moro contra Lula.
“O movimento sindical europeu se solidariza com nossos colegas brasileiros e ajudará em tudo que pudermos para defender a democracia e restaurar o estado de direito”, disse o secretário-geral da ETUC, Luca Visentini. 

“Este é o mais recente de uma série de graves ameaças à democracia no Brasil. O movimento sindical belga está com Lula na luta pelo povo brasileiro e sua democracia “, disse o presidente do CSC, Marc Leemans.
“Estamos profundamente preocupados com a vontade das forças conservadoras de impedir, por todos os meios, que o ex-presidente Lula seja candidato em um processo eleitoral justo e democrático”, disse o secretário-geral do FGTB, Robert Vertenueil.”

Blog no WordPress.com.

Acima ↑